Controle de Processos

Usuário
Senha

Notícias

STF restaura acervo avariado em invasão ao edifício-sede da Corte

Itens do acervo histórico e artístico do Supremo Tribunal Federal (STF), danificados há duas semanas em atos de vandalismo, estão sendo recuperados pelo Laboratório de Restauro da Corte. Entre as peças, estão obras de arte, mobiliário, presentes de chefes de Estado estrangeiros e objetos em geral, destruídos por extremistas durante invasão ao edifício-sede da Corte ocorrida no dia 8/1. O Brasão da República e a escultura em bronze “A Justiça”, de Alfredo Ceschiatti, também foram alvo dos vândalos.A restauração dos objetos segue um cronograma de prioridades, que começa com os objetos localizados no térreo do prédio principal do Supremo – onde estão localizados o Plenário, o Salão Branco e o Hall dos Bustos –, tendo em vista a proximidade do início do Ano Judiciário de 2023, que ocorrerá em sessão solene marcada para o dia 1º/2. Para cumprir esse cronograma, já estão prontas cerca de 30 peças e outros itens também serão finalizados até o final deste mês.As etapas de restauro seguintes abrangem o Salão Nobre – local em que os ministros recebem chefes de Estado estrangeiros –, o gabinete da Presidência, a Diretoria-Geral e outras áreas do Tribunal que funcionam nos demais andares do edifício-sede. Nesses locais, será necessário fazer um levantamento de danos para desenvolvimento de planos de trabalho para a restauração dos objetos.Bastante destruído pelos vândalos, o Salão Nobre apresenta a maior quantidade de itens a serem recuperados. Em sua decoração, há móveis e documentos históricos, bem como presentes recebidos por autoridades estrangeiras, a exemplo das porcelanas chinesas, que foram quebradas em vários pedaços.Perdas inestimáveisO gerente de Preservação e Restauração do STF, Marcos Antônio de Faria, ressaltou o valor inestimável das perdas. “Não é possível quantificá-las, uma vez que foram destruídas obras de arte e presentes de chefes de Estado”, avaliou. “Nosso trabalho é conservar, mas, infelizmente, agora será necessário restaurar”, acrescentou.Após a liberação dos ambientes pelos peritos da Polícia Federal, a equipe de restauradores teve acesso aos itens destruídos e realizou um salvamento inicial das peças, a fim de interromper a deterioração ocasionada pela exposição à água, ao pó dos extintores de incêndio e à luminosidade inadequada. Também foram recolhidos e separados fragmentos das obras.Peças em restauraçãoAtualmente, os restauradores estão trabalhando na recuperação de cadeiras do Plenário, em poltronas do Salão Nobre, além de quadros e fotografias. Passam também por restauração o Brasão da República, que ficava localizado acima do móvel que guardava a réplica da Constituição Federal, e a escultura em bronze “A Justiça”, de Alfredo Ceschiatti, que foi resgatada nos jardins do edifício-sede. Criada para ornamentar o hall de acesso ao Plenário, a obra representa Themis, deusa grega da Justiça, com seus olhos vendados, simbolizando o tratamento igualitário dado a todas as pessoas.Levantamento de danosO grupo de restauradores é formado por sete profissionais, que higienizam as peças, avaliam os danos e resolvem problemas relacionados a fissuras, afundamentos, arranhões, rachaduras, cortes, encaixes, pinturas, tecidos e molduras. Também são responsáveis por escolher ferramentas específicas, além de tintas, óleos, solventes, solda fria, entre outros materiais a serem utilizados. “No caso de mobiliário, nós usamos a própria madeira para fazer complementações em talhas. Vamos testando materiais e químicos para fazer essa intervenção”, explicou Faria.Exposição de peças não recuperadas Há previsão de ser realizada uma exposição futura, ao público externo, das peças que não puderem ser restauradas. De acordo com o gerente de preservação e restauração do STF, alguns itens não são passíveis de restauração devido ao alto grau de destruição. Esse é o caso dos vasos artísticos recebidos da China e de peças de cerâmica e espelhos que se quebraram em pedaços minúsculos. “Mesmo que consigamos reunir todos os fragmentos, a restauração não é possível, eles não serão refeitos porque não há reversão”, observou. “Perdemos alguns itens, mas a grande maioria vamos conseguir restaurar”.Cooperação técnicaMarco Antônio de Faria contou que existe uma força-tarefa de restauradores dos três Poderes e de órgãos especializados, como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), para a troca informações a respeito de técnicas e materiais na área. “Já tivemos encontros com as áreas técnicas de restauração de outros órgãos, criamos grupos de trabalho e também já recebemos especialistas de outros estados”, disse. Ele explicou que, como os danos ocorreram nas sedes dos três Poderes, cada equipe está voltada, inicialmente, para seu próprio acervo, mas o intenso trabalho não impede o compartilhamento de conhecimento técnico.“Temos o objetivo comum de colocarmos esse acervo, que conta a nossa história, novamente à disposição da sociedade”, finalizou.
24/01/2023 (00:00)
Visitas no site:  1577311
© 2023 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia